Mulher confessou que matou amiga grávida a tijoladas e tirou bebê com estilete, em SC

A mulher presa nessa sexta-feira, 28, suspeita da morte da grávida encontrada em uma cerâmica abandonada em Canelinha, em Santa Catarina, confessou que matou a vítima com golpes de tijolo na cabeça em depoimento, de acordo com a Polícia Civil. A mulher também afirmou ter usado um estilete para retirar o bebê do útero da gestante. O bebê está bem, no hospital infantil.

Segundo o delegado Paulo Alexandre Freyesleben e Silva, a mulher admitiu ter contado à vítima que haveria um chá de bebê como forma de atraí-la. Flávia Godinho Mafra estava desaparecida desde a tarde da última quinta-feira, 27, ao sair de carona para um chá de bebê surpresa.,

Ainda de acordo com o depoimento, ela levou a grávida para o bairro Galera, onde teria dado um golpe com um tijolo na cabeça da vítima, que caiu no chão. Na sequência, ele teria dado novos golpes, e depois utilizado um estilete para cortar a barriga de Flávia e retirar o bebê.

A mulher ainda informou que estava grávida, e perdeu o bebê em janeiro deste ano. Ela não contou aos familiares, e teve a ideia de roubar o bebê da amiga grávida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agropecuária teve bom desempenho na maioria das regiões do país em 2020, mesmo com pandemia

Mesmo com a crise provocada pela pandemia do coronavírus, a agropecuária conseguiu ter um bom desempenho na maioria das regiões do Brasil, de acordo com um estudo da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (EESP-FGV) sobre os impactos da Covid-19 sobre o setor.

Em todas as cinco regiões, o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP, faturamento) registrou crescimento entre janeiro e outubro de 2020, em relação a iguais meses de 2019.

Porém, houve queda nas exportações do Nordeste e do Sul. Nesta última, a forte seca comprometeu a produção agrícola e pecuária dos três estados da região.

Leia mais no G1

Quadro de Tarsila do Amaral vai a leilão por decisão judicial

Por decisão judicial, o quadro A Caipirinha, da artista brasileira Tarsila do Amaral, que pertencia a um empresário Salim Taufic Schahin, investigado na Operação Lava Jato, vai a leilão amanhã (17). Enquanto isso, a tela pode ser vista pelo público na Bolsa de Arte, no centro da capital paulista.

Quem quiser ficar com a tela terá que desembolsar, no mínimo, uma quantia superior a R$ 47 milhões, em pagamento à vista. O leilão será às 20h e mais informações podem ser obtidas pelo site https://www.bolsadearte.com/. O dinheiro obtido com a compra desse quadro irá para uma conta do Tribunal de Justiça de São Paulo, onde ficará bloqueado até que o mérito de um recurso feito por um familiar do empresário seja apreciado.

Obra ‘A caipirinha’, de Tarsila do Amaral, é exposta na galeria Bolsa de Arte antes de ser leiloada por decisão judicial.
Obra A caipirinha, de Tarsila do Amaral, é exposta na galeria Bolsa de Arte antes de ser leiloada por decisão judicial. – Rovena Rosa/Agência Brasil

A família proprietária do quadro tentou suspender o leilão, que foi anunciado após 13 bancos terem aberto uma ação de execução ​contra o dono da obra por não pagamento de dívidas milionárias. O quadro pertenceu a Salim Taufic Schahin, um dos proprietários do Grupo Schahin, investigado na Operação Lava Jato e faliu em 2018. Para receber o pagamento dessas dívidas, os bancos entraram com uma ação na Justiça para sequestro dos bens do empresário. Entre esses bens estavam diversas obras de arte, como o quadro de Tarsila.

No início deste mês, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Moura Ribeiro, negou pedido de tutela provisória que buscava suspender o leilão da obra. Apesar de manter o leilão, o juiz decidiu determinar o bloqueio do dinheiro obtido no certame em conta judicial, até que haja o julgamento de mérito do recurso, impetrado por um dos filhos de Schahin, que alega que a obra tinha sido doada a ele, pelo pai, há alguns anos atrás.

A obra

O quadro de cores fortes e traços bem geométricos foi pintado por Tarsila em 1923, em uma viagem que fez à França. Nele há a figura de uma mulher desenhada em uma paisagem rural.

Obra ‘A caipirinha’, de Tarsila do Amaral, é exposta na galeria Bolsa de Arte antes de ser leiloada por decisão judicial.
 A caipirinha, de Tarsila do Amaral, exposta na galeria Bolsa de Arte – Rovena Rosa/Agência Brasil

Em uma carta que enviou de Paris para a sua família no Brasil, em abril deste mesmo ano, Tarsila escreveu sobre ele. “Na arte, quero ser a caipirinha de São Bernardo, brincando com bonecas de mato, como no último quadro que estou pintando”. Na carta endereçada aos pais, Tarsila ainda desenha um pequeno esboço da tela.