Usinas de cana-de-açúcar do interior Paraná se unem para diminuir custos e aumentar competitividade na exportação

No interior do Paraná, produtores e usinas de cana-de-açúcar se uniram para criar terminais de transbordo conjuntos com capacidade para armazenar 100 mil toneladas do produto. A ideia fez com que os custos caíssem e a competitividade na hora de exportar aumentasse.

“Nós criamos um padrão de produto, seja ele produzido por qualquer usina, ele é semelhante”, afirmou o presidente da Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar), Miguel Tranin.

 

O açúcar produzido por diversas propriedades embarca junto pelas ferrovias do estado, que levam até o Porto de Paranaguá. “Na hora que está embarcando no Porto, sabemos que o produto é igual e isso dá uma celeridade que traz ganhos às usinas do estado”, disse Tranin.

Outra mudança que trouxe mais competitividade para o setor paranaense foi a criação de um terminal de embarque exclusivo para o produto, com capacidade para carregar até 36 mil toneladas por dia nos navios.

O gerente do terminal de embarque, Eric Ferreira de Souza, explicou que o sistema é todo interligado.

“A velocidade do carregamento ajuda no embarque de navio cada vez mais rápido. Na época de safra, o período varia de três a cinco dias”, comentou.

Com mais agilidade, a oferta dos produtores chamou a atenção de outros países. Na última safra, o Paraná exportou 2,4 milhões de toneladas de açúcar.

Para os países árabes, a venda somou US$ 350 milhões, tendo como principal destino o Iraque.

“Nós estamos renovando em uma velocidade maior o canavial, buscando uma produtividade maior. Acho que ainda nós temos muito a ganhar com toda essa logística que foi construída no estado”, declarou o presidente da Alcopar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paraná será estado piloto para programa de expansão de Procuradorias Municipais da Mulher

Nesta sexta-feira (19), a Procuradoria da Mulher da Assembleia Legislativa do Paraná deu um importante passo para o a expansão do programa que visa criar mais Procuradorias Municipais da Mulher. Através de um alinhamento entre a Procuradoria, a Defensoria Pública do Paraná e o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, o estado será piloto em um projeto que visa intensificar a pulverização destes órgãos não só no Paraná, mas em todo o Brasil. A reunião de alinhamento contou com a participação da secretária nacional de mulheres, Cristiane Rodrigues Britto.

“Trata-se de um trabalho conjunto que terá o Paraná como modelo piloto, através da expansão de um curso que está sendo desenvolvido hoje pela Defensoria e pela Procuradoria e que ocorrerá em abril. O Ministério entrará nesta parceria que nós já temos para envolver o Governo Federal na expansão destes órgãos de defesa que ganham cada vez mais força no legislativo”, detalha a procuradora da mulher da Assembleia Legislativa, deputada estadual Cristina Silvestri (CDN).

Inicialmente, o Ministério atuará como parceiro do curso idealizado pela Procuradoria e Defensoria: “O atendimento, acolhimento e encaminhamento da mulher em situação de violência: a atuação das Procuradorias Municipais da Mulher”. A capacitação é exclusiva para vereadoras e tem como objetivo prepará-las para a condução destes órgãos legislativos. O curso ocorrerá nos dias 9, 16, 23 e 30 de abril.

“Nosso objetivo é transpor o estado do Paraná. Inicialmente faremos este trabalho conjunto aqui, mas funcionando, queremos dar conhecimento ao máximo de defensores gerais possíveis e levar isso para outros estados, fazendo a parceria com as respectivas Casas Legislativas estaduais”, destaca Eduardo Abraão, defensor público geral do Paraná.

O alinhamento entre os órgãos foi realizado na tarde desta sexta (19) em reunião on-line. Além da deputada Cristina, da secretária Cristiane e do defensor Eduardo, participaram também a diretora do Departamento de Políticas de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres do Ministério da Mulher, Grace Justa; e a defensora pública Lívia Salomão Brodbeck, coordenadora do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem).

“Fico muito feliz em ver a nossa Procuradoria da Mulher colocando a Assembleia em um patamar de referência para o país no alinhamento do legislativo estatual com as causas da mulher. Nós temos papel importantíssimo na Rede de Enfrentamento e, agora, ganhamos mais força para expandir nossos trabalhos no interior”, finalizou Cristina Silvestri.

Outono começa abafado e com chuva em algumas regiões do Estado

O outono começa às 6h38 deste sábado, 20 de março, e termina à 0h32 do dia 26 de junho. Segundo o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), o primeiro dia será abafado. A temperatura mínima prevista é de 17 ºC em Ponta Grossa e a máxima deve atingir 34 ºC em Foz do Iguaçu e Paranavaí. As regiões Norte, Norte Pioneiro e Noroeste terão sol entre nuvens. Na Capital e nas regiões Leste, Campos Gerais, Central e Sul, é esperado tempo parcialmente nublado com chuva à tarde. No Oeste e Sudoeste o dia será parcialmente nublado com chuva e raios à tarde.

 

“O fenômeno climático La Niña segue atuando sobre as águas do Oceano Pacífico Equatorial, influenciando o clima no Paraná, mas perde força e tende a dissipar-se até o final da estação”, diz o meteorologista do Simepar, Reinaldo Kneib. O cenário climático indica redução gradual do volume de chuva, que deve ficar abaixo da normalidade: “Estão previstos vários períodos prolongados sem chuva”, informa Kneib. Os principais eventos chuvosos serão causados por frentes frias.

No decorrer da estação, as manhãs e noites se tornam mais frias enquanto as tardes seguem quentes. A partir de maio, ondas de ar frio e seco serão mais frequentes e intensas, provocando expressivo declínio da temperatura do ar. Segundo o meteorologista, haverá alguns dias muito frios intercalados com períodos de calor.

Os veranicos, os nevoeiros e as geadas são fenômenos típicos da estação no Paraná, com intensidade e duração variáveis conforme o padrão climático predominante em cada região.

 

Agrometeorologia 

 

Segundo a agrometeorologista do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR Paraná), Heverly Morais, o cultivo do milho safrinha será desafiador, pois a semeadura está atrasada devido à estiagem do ano anterior. “A cultura estará nos estágios de floração e início da frutificação, com os grãos leitosos, suscetíveis a danos por geadas e restrição de água e radiação solar”, explica. A situação é mais favorável para a cultura do trigo, bastante tolerante aos veranicos e episódios de frio intenso. As geadas moderadas e severas podem causar danos graves às plantações de café e hortaliças.

Alerta de geada

O serviço Alerta Geada entra em operação na primeira semana de maio e segue até o final do inverno. O Simepar emite as previsões de geada para todas as regiões do Paraná por categorias de intensidade – fraca, moderada ou forte – com antecedência de 72, 48 e 24 horas. Mensagens são disseminadas por celular e e-mail para usuários cadastrados, assim como nas redes sociais e veículos de comunicação.

 

Em caso de geada prevista com impacto em culturas sensíveis a baixas temperaturas, o IDR-Paraná orienta os agricultores a adotarem medidas para evitar ou reduzir danos às lavouras. Segundo Heverly Morais, neste ano o serviço será estendido à cultura da maçã, em sua maioria localizada no Sul do Estado.

Confira a TABELA dos valores das médias históricas de chuva (faixa de variação), temperatura mínima e temperatura máxima para cada região do Paraná nos meses de abril, maio e junho.